201704.23
0
0

A importância da participação social

Sempre penso no papel do cidadão, palavra muito utilizada e, talvez, pouco aplicada no dia a dia. Participando de uma oficina de comunicação preparatória para a 15ª Conferência Nacional de Saúde (2015), no Rio de Janeiro, fiquei bastante feliz por discutir temas como comunicação, saúde e cidadania.

Todos nós, brasileiros, utilizamos o SUS, de forma direta ou indireta. Só que muita gente ainda não sabe disso ainda (ou não se deu conta). Por isso, falando em cidadania, reforço o que disse Maria do socorro de Souza, presidenta do Conselho Nacional de Saúde, de que cada vez mais é importante a participação da população nos importantes avanços do SUS nesses seus 25 anos de existência. Além disso, há uma necessidade latente de mobilização e participação social em defesa do SUS na sua dimensão universal e integral e do direito à saúde.

Sim, nós temos a cocada. Porque a cidadania vai além do direito: é também nosso dever. É com a nossa participação que conquistamos avanços importantes para nossa vida, como o SUS. Apesar da imagem carregada negativamente na imprensa, o SUS tem avançado muito desde a Constituição de 1988, mas não vemos isso na mídia tradicional/oficial. O SUS é patrimônio dos brasileiros (quem for procurar na história certamente entenderá mais sobre esse processo democrático) e isso ocorre não apenas com o sistema público de saúde, mas em todas as áreas da sociedade. Aqui me atenho à saúde por conta do evento citado acima, mas o debate é perfeitamente aplicável aos demais temas sociais.

Cabe a nós, após a luta por um sistema único de saúde, exigir e buscar alternativas para a melhoria constante na área. Que fique claro aqui que saúde não se restringe ao conceito oposto de doença. Não, saúde é também desenvolvimento do interior do país, é economia, é direito, valorização das carreiras, é diminuição da pobreza, é sustentabilidade, é qualidade de vida.

E, claro, saúde é comunicação. É poder ter acesso e garantia a outras alternativas de comunicação. A democratização da comunicação significa dar vozes à população. Significa que a moça da cocada pode ir à rádio e falar, reivindicar e agir por uma sociedade melhor, pelo acesso à saúde, pela diminuição do preço do açúcar.

E nesse contexto a qualidade da informação é fundamental para nos dar a percepção de que o SUS, a educação, os direitos e lá vai cacetada depende, sem dúvida, da participação social. A sociedade somos nós – que construímos o espaço que queremos, almejamos e idealizamos. Sem envolvimento político, sem democratização da comunicação e sem a participação social o caminho será muito mais longo e difícil..