201703.06
0
0

De cara limpa e a favor da maquiagem

O “desafio da maquiagem” e o julgamento de escolhas nas redes sociais

 Primeiro as famosas, agora centenas de mulheres passaram a postar fotos nas mídias sociais com o rosto sem maquiagem. No início, com as celebridades, entendi como uma proposta interessante, dizer não ao excesso de photoshop e correções eletrônicas de imagem e assumir, de fato, o que se é. Só que o tal “desafio da maquiagem” virou um fuzuê total e ao contrário do que foi proposto inicialmente assumiu nas redes um caráter quase fascista de oposição às mulheres que adoram maquiagem.

Vive La Fête canta maquillage c’est camouflage et je n’aime pas, que é a primeira música que me vem na cabeça quando penso em maquiagem. Claro, a banda interpreta isso em outro contexto. Mas camuflagem mesmo é concordar com esse desafio da maquiagem que reduz o uso dos cosméticos a uma máscara que esconde quem realmente somos, reforçando o tabu da mulher como objeto já que ela não consegue deixar de ser escrava da maquiagem.

Será que alguém não parou para pensar no prazer em usar um batom vermelho ou um perfume inesquecível? Uso maquiagem, e com gosto, e nem por isso sou menos autêntica do que minhas amigas que não usam cosméticos. Nós andamos de cara limpa, assumindo todas as nossas posturas, convicções, vontades e desafios. De cara limpa mesmo é encarar a vida de frente, fazendo o que quiser.

O grande desafio é assumir quem você é e do que gosta de frente. De maquiagem ou não, o respeito deve vir acompanhando todas as escolhas. Usar maquiagem nunca foi, não é e não será um crime, está longe de ser punida a mulher que delira com isso. Salve a maquiagem, salvem os mil e um tons de batom vermelhos e os deliciosos perfumes!